Blog

E-commerce não é só plataforma, é um negócio!

Daniela Senador

22890755703_848a7b0529_b

O crescimento do número de pessoas com acesso à internet no Brasil, principalmente banda larga, não apenas na região Sudeste, contribuiu também para modificar o seu comportamento de compra. A possibilidade de adquirir produtos sem sair de casa, por computador, tablet ou smartphone, faz com que o número dos chamados e-consumidores aumente cada vez mais e, consequentemente, o de lojas virtuais ofertando os mais diferentes produtos e serviços também. Hoje, de acordo com a e-bit, existem mais de 60 mil lojas virtuais no Brasil e o comércio eletrônico cresceu cerca de 28% em 2013, mais do que o esperado, apresentando faturamento de R$ 31,11 bilhões, conforme dados da e-Bit e da ABComm – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico. Empreender tem se mostrado uma tendência e e-commerce é o segundo segmento que reúne o maior número de startups no país, segundo a StartupBase criada pela ABStartups – Associação Brasileira de Startups.

O cenário parece propício para criar um negócio próprio baseado em vendas online. Quem olhar apenas para esses números e para os cases de sucesso, pode acreditar ser um processo simples, enquanto, na realidade, é extremamente complexo. Não por acaso, 70% das lojas virtuais brasileiras não fazem nem 10 vendas por mês, de acordo com a ABComm, e 60% das lojas virtuais fecham antes mesmo de completar um ano, conforme apuração do Sebrae-SP.

Diante desse cenário, a principal mensagem que buscamos transmitir nas palestras é que e-commerce não é só plataforma, é um negócio. Portanto, requer um plano de negócio bem desenhado, ainda mais se a perspectiva é apostar num segmento de mercado bastante concorrido, como o de moda, beleza e acessórios, os que mais crescem no Brasil de acordo com o último relatório WebShoppers, da e-Bit. Esse plano de negócio traz não apenas o modelo do seu negócio mas também a sua estratégia de marketing.

Quem é o seu público-alvo? Quem são os seus concorrentes e seus diferenciais em relação a eles? Quais são as atividades necessárias para que o seu negócio exista e quanto elas custam? De que forma os clientes serão atendidos? Essas e outras respostas devem estar contidas no modelo de negócio, que é o primeiro passo para quem quer empreender. Afinal, você precisa saber como irá administrar seu tempo e dinheiro nessa nova empreitada.

O segundo passo, não menos importante, é ter uma estratégia de marketing digital – já que seu negócio é digital -, pois não basta colocar o site no ar, é preciso torná-lo conhecido e atrair os clientes, ainda mais quando se entra num ambiente extremamente competitivo. Por mais que o foco seja conversão em vendas, não se chega lá sem um bom posicionamento de marca, ampla visibilidade nos canais de consideração – canais em que o público busca informações sobre o tipo de produto que você comercializa -, reputação a partir da legitimação de influenciadores afinados com o segmento de mercado e engajamento do público-alvo a ponto de tornar alguns consumidores porta-vozes da marca.

A escolha da plataforma de e-commerce depende da sua estratégia de marketing. Portanto, não saia contratando a mais barata, pois o que se anuncia como vantagem para o seu bolso pode se tornar prejuízo. Há plataformas que não suportam um tráfego de usuários elevado, não permitem intervenções em sua estrutura ou acompanhamento de informações estratégicas nem fornecem todos os dados que você precisa para poder entender o comportamento do seu público, entre outros fatores relevantes para a sua operação dar certo. O trabalho com e-commerce é essencialmente dinâmico – por isso, quem acha que vai contratar uma plataforma, colocá-la no ar e deixá-la lá, se engana. Pois o comportamento das pessoas muda e sua estratégia precisa acompanhá-lo. Existe um manancial de dados que pode ser interpretado a favor do seu negócio online. E saber interpretar todos esses números é essencial para aproveitar oportunidades e fazer eventuais correções de rota.

Essas e outras dicas estão contidas na apresentação “Marketing digital para e-commerce: como atrair mais clientes e alavancar o seu negócio”, disponível na íntegra no SlideShare da Soneto.

tags:

  • comércio eletrônico
  • e-commerce
  • estratégia
  • estratégia de marketing
  • marketing digital
  • mercado
  • plataforma
  • startup